quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Estado do Pará vai abrigar primeira fábrica de suco de laranja da região Norte

O financiamento no valor de mais de R$ 16 milhões foi garantido através do FNO

Pala primeira vez na história o Pará terá sua primeira fábrica de suco de laranja. O financiamento foi aprovado no dia 13 de janeiro, pelo Banco da Amazônia (Basa). O empreendimento já começou a ser construído pelos próprios investidores na cidade de Capitão Poço, nordeste do estado, e deve gerar mais de 100 empregos, dentro da unidade industrial, e mais de mil empregos na região.
Segundo o diretor comercial do Basa, Luiz Sampaio, o financiamento no valor de mais de R$ 16 milhões, foi apoiado pelo ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, e garantido através de recursos provenientes Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO). A assinatura de contrato com a Citropar - empresa responsável - deve acontecer já nas próximas semanas. “Este é o período que a empresa tem para organizar toda a documentação necessária que vai permitir a construção do contrato final”, disse o diretor.
Ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho.
Sampaio explicou ainda que o Basa esteve envolvido diretamente para que ocorresse a aprovação do financiamento, que terá contrapartida de 10% da Citropar. “Realizamos diversas visitas in loco, sobrevoamos também as áreas para conhecer melhor as plantações. Será um processo de verticalização pura, ou seja, vai beneficiar tanto a empresa quanto os produtores que ficam no entorno e o financiamento”.
A laranja chegou na década de 70, na cidade Capitão Poço, que atualmente se tornou a maior produtora da fruta no estado. O novo ciclo iniciou em 2010 com a reativação da Citropar, que hoje concentra a maior parte da produção de laranja na região Norte, possuindo mais de 2 milhões de pés de laranja e limão. Por enquanto, 90% de toda a produção é distribuída para 11 Estados, a maioria da região Norte e Nordeste, chegando ainda a exportar para países da Europa.
                O citricultor paulistano, Júnior Zamperlini, responsável pela empresa, afirmou que possui outras plantações no estado de São Paulo e que foram atraídos para o Pará devido o baixo índice de pragas, mas que hoje a produtividade no estado é maior com relação a São Paulo. “Este financiamento é, sem dúvida, um benefício que chega não só para a nossa empresa, mas também para todo o Pará”, disse Zamperlini.
O empresário ressaltou ainda a importância de ter um ministro paraense no Ministério da Integração Nacional, que segundo ele, foi fundamental para que a proposta fosse aprovada. “Tenho a certeza que a presença do ministro Helder Barbalho na pasta com toda sua dedicação e apoio incisivo, é o que está fazendo a diferença para o desenvolvimento de diversas áreas do estado. Eu só tenho a agradecer por hoje ter a oportunidade de concluir a construção da fábrica”.
O ministro Helder destacou mais uma vez o trabalho que vem sendo realizado pelo Banco da Amazônia para facilitar e desburocratizar a análise de projetos do FNO e tornar o Fundo mais acessível aos investidores. “Esta é mais uma excelente notícia que chega para nos mostrar que é possível enxergar um novo horizonte de investimentos, que possibilita a geração de emprego e renda e mais competitividade à economia do Estado”, finalizou o ministro. (Fonte: Ministério da Integração)